quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Dica de filmes: Akasha e Drácula



Rainha dos Condenados é um filme de terror estadunidense de 2002, produto de uma adaptação cinematográfica do terceiro volume das Crônicas Vampirescas da escritora Anne Rice, de mesmo nome, apesar de conter também parte do enredo do livro antecedente, O Vampiro Lestat. Traz Aaliyah no papel que dá nome ao filme e Stuart Townsend no papel do vampiro Lestat. Sua estréia ocorreu seis meses após a morte de Aaliyah em um acidente aéreo, sendo dedicado à sua memória.
A trilha sonora tem músicas exclusivas de bandas como Korn, Static-X, Marilyn Manson e Disturbed, Linkin Park, Dry Cell,Slipknot entre outras, o total é de 14 músicas em sua trilha sonora.

O vampiro Lestat reinventou a si mesmo e agora é uma grande estrela do rock contemporâneo nos Estados Unidos. Sua música acaba despertando Akasha, a rainha de todos os vampiros, cujo poder é tão grande que para combatê-la todos os vampiros da face da Terra precisarão se unir a fim de evitar sua própria extinção. Mas assim como a música de Lestat inspira Akasha, que deseja fazer dele seu rei, ela também faz com que Jesse, uma jovem fascinada pelo lado negro da vida, se apaixone por Lestat.

Drácula de Bram Stoker  é um filme americano de 1992, baseado na obra literária de Bram Stoker, escritor irlandês. O filme é dirigido pelo renomado diretor Francis Ford Coppola, também diretor de The Godfather, Apocalypse Now, The Godfather Part II, Cotton Club e Peggy Sue Got Married.
No século XV, um líder e guerreiro dos Cárpatos renega a Igreja quando esta se recusa a enterrar em solo sagrado a mulher que amava, pois ela se matou acreditando que ele estava morto. Assim, perambula através dos séculos como um morto-vivo e, ao contratar um advogado, descobre que a noiva deste a reencarnação da sua amada. 

Deste modo, o deixa preso com suas "noivas" e vai para a Londres da Inglaterra vitoriana, no intuito de encontrar a mulher que sempre amou através dos séculos.

sábado, 8 de setembro de 2012

Dança Tribal Gótica



A dança tribal gótica é a dança do ventre tradicional em fusão com danças folclóricas de vários lugares e elementos da subcultura gótica, são eles a música e a estética.
A estética chama muito a atenção. Tanto na subcultura gótica como na dança tribal, os olhos sempre tendem a ser marcantes, então uma mistura dos dois seria (é) perfeito. Além dos olhos chamativos, enfeites na cabeça são bem vindos, afinal, na dança não se usa apenas a cintura.
Cada bailaria tem um jeito diferente de dançar, por isso que em cada uma sempre existe um aspecto forte. Elas são livres para criar seu estilo, mas é preciso compreender que estas dançarinas têm uma intenção em comum, exaltar o que elas chamam de valores ligados ao feminino e ao planeta Terra, como matriz criadora.
Aqui estão alguns nomes da Dark fusion, como alguns a chamam: Ashara, Ariellah, Xahira e Jeniviva.

No Brasil não há uma distinção clara entre dança do ventre e dança tribal, as dançarinas assumidamente tribais investem em elementos comuns ao estilo gótico, mas não se posicionam como dançarinas puramente góticas. Muito diferente do que acontece nos Estados Unidos, berço do estilo tribal e do estilo gótico, este último é visto como um estilo independente.
O estilo da Dança Tribal Gótica se dividem em duas subcategorias, a dança tribal puramente gótica, onde a dançarina se entrega profundamente ao estilo e ao estudo do mesmo e que, muitas vezes pertencem a ele e a dança tribal inspirada nos elementos góticos, a que apresenta apenas a estética gótica.
A Dança Tribal Gótica é mais um elemento sensual implantado a subcultura, esta que está sempre se renovando, criando dimensões que demonstram um sentimento através de uma densa interpretação.



A Dança Tribal


Saudações novamente! Hoje postarei um pouco do que estudei sobre dança tribal, para que, você possa entender o próximo assunto do blog, a Dança Tribal Gótica, uma modalidade que eu muito aprecio, e que  combina bastante com a nossa subcultura. Espero que gostem, brevemente voltarei com meus poemas e mais informações sobre nosso mundo.
Boa leitura.
Conceito

Estilo Tribal é uma modalidade de dança que, tendo como base a dança do ventre, funde arquétipos, conceitos e movimentos de danças étnicas das mais   variadas   regiões,   como   o   Flamenco,   a   Dança   Indiana   e   danças folclóricas   de   diversas   partes   do   Oriente,   desde   as   tradicionais
manifestações folclóricas já bem conhecidas pelas bailarinas de dança do ventre às danças tribais da África Central.

Falar sobre Tribal é mostrar, com o corpo, a rede cultural dos povos do mundo.
O termo se refere à comunidade, grupo, família, aspectos do feminino que trabalham a preservação da espécie, o cuidado com o outro, a manutenção da vida e do lar.
Para dançar Tribal é preciso conhecer as etnias que irão compor o estilo   através   de   estudo,   o   que   fará   com   que   nos   aproximemos   das diversidades culturais, dando margem à nossa compreensão das mesmas.

O Estilo Tribal parece preencher a lacuna aberta na liberdade criativa, poética das mulheres, o que elas chamam de mistério feminino oriental. Existe, de fato, uma construção imagética forte que permite um retorno ao passado e ao mesmo tempo, uma perspectiva de futuro. Interessante observar que esta dança parece ter êxito no intento de unir o moderno ao ancestral.
A Dança Tribal permite a liberdade criativa, as artistas podem   ampliar   seu   vocabulário   gestual, utilizando   técnicas   tanto   ocidentais   quanto orientais, toda criação é bem vinda no Tribal.

Quando surgiu

Surgiu nos  EUA, em 1969, quando a dançarina Jamila Salimpour, ao  fazer  uma viagem ao  Oriente, se encantou  com os  costumes  dos  povos tribais. Fascinada  pela  dança, pela  estética  e pelo  universo  místico  do  Oriente, Jamila resolve acrescentar  e mesclar os elementos que havia conhecido na viagem. Junto à sua trupe   Bal   Anat,   Jamila   passou   a   desenvolver   coreografias   que   utilizavam   passos característicos da dança oriental e acessórios das danças folclóricas. Ela tomou como base as   lendas   tradicionais   do   Oriente   para   criar   uma   espécie   de   dança-­teatro, criando   um figurino inspirado  no vestuário  típico  das  mulheres  orientais, que ficou como uma das características mais marcantes do Tribal.
Poderia-­se pensar  que a origem da Dança Tribal se restringiria à década de 1970,  quando  foi criada, mas,  por  traz   desse   movimento  podemos   observar   que,  na verdade esta dança é produto de uma onda cultural, estética, exotérica, que começou a se formar  e tomar  corpo no cenário mundial a partir  das décadas de 1960 e 1970. Ela diz respeito a um discurso que falava da sacralidade do planeta, movimento que culminou com o surgimento da cultura Hippie; dos grupos de Bruxaria, surgidos na Inglaterra e depois disseminados nos Estados Unidos; de uma revalorização do Xamanismo; da emancipação feminina; e do crescimento de movimentos ecológicos.

É muito  provável que o  trabalho  das  dançarinas  do  Estilo  Tribal tenha sua
origem na conexão com a consciência de Gaia. É conhecida a teoria de McKenna de que o planeta  Terra  tem uma  mente  pensante, uma  Ânima  Mundi ou  alma  do  mundo. Esse conceito não é novo, Platão já se referia a alma do mundo, mas só agora a ciência parececomeçar a se abrir para essa idéia. Semelhante à rede mundial de computadores, a Internet, a mente de Gaia une a tudo por meio de fios comunicacionais, os campos morfogenéticos de   Sheldrake.   Isso   significa   que   de   algum   modo   a   Terra   pode   comunicar-­se   com   a humanidade e esses cientistas acreditam que as práticas xamânicas e a arte são algumas dessas formas. A Dança Tribal deve ser entendida, nesse âmbito, não apenas como uma manifestação artística, mas como aquilo que a Arte tem de mais próximo da expressão mítica, como uma linguagem semelhante a dos mitos e dos sonhos.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Tic-tac


Saudações leitores! 
Fiquei muito tempo sem aparecer, pois estava resolvendo alguns problemas e ainda continuo muito ocupada, mas, já pensei em assuntos novos para o Alba Lupus. Enquanto não escrevo, vocês podem dar uma olhada na Página do Facebook, que sempre estará com pequenas postagens e algumas imagens.

Deixo para vocês um texto que produzi ontem. 
Até mais!



TIC-TAC

Eu vim para dizer
que você terá a mente corrrompida.
Sou velha de mais para poder fazer algo,
mas ainda posso dizer:
Eles te darão doces, vestidos coloridos e carrinhos
e depois te colocarão uma coleira.
De repente algo tapa seus olhos.
Você não sabe o que fazer,
pois adorou os presentes e confiou em Noel.

(TIC-TAC) Enquanto você cresce
a coleira te sufoca mais e mais.
Está acabando o processo
e você vai morrer.
Vai morrer com o processo da sucção de cerébro.

Seria mesmo ingenuidade pequena criança?
Ou tudo foi fruto da sua perfeita ignorância?

Eu vim para dizer 
que sua mente foi corrompida.
Sou velha de mais para poder fazer algo,
mas ainda posso dizer:
Talvez seus filhos também aceitarão doces
e terão o mesmo destino macabro,
mas se de repente alguma fada aparecer
eles poderão ser salvos.

(TIC-TAC) Enquanto você cresce
a coleira te sufoca mais e mais.
EstÁ acabando o processo
e você vai morrer.
Vai morrer com o processo da sucção de cerébro.

Sou velha de mais
para poder fazer algo...