segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Venha à noite




O eco dos espíritos não me assombram mais, a escuridão é minha mãe, minha fonte de energia. Poderosa, perfeita e santa.

- Que fazer com os homens perdidos? Acolhe-los no manto da noite, no vente da rainha.

- Venha à mim, liberte-se. Não tenha medo de confessar suas lágrimas de sangue. O suposto fim pode estar onde menos se espera, assim como pode ser tão obvio.

Não tema a morte, ela é como toda realidade. Se for sua vez de vivenciá-la, não há escapatória.

Um comentário: