sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Fim do Sol

Primeira e ultima noite de núpcias,
Você me apertava com tanta força
Que eu chegava a ficar sem respirar.
Teu corpo ao meu
E as trocas de palavras.
Ai, meu ar!
Mais uma cena não esquecida.
Passou-se o tempo.
Quando soube da ultima visita
Fui lhe ver e não saia uma palavra sequer,
Só a troca de olhares tristes.
Observando seu colete,
seu coturno negro e calças verdes,
enterrei-me.
Nada será igual novamente.
Você aproximou-se de mim,
segurou meu queixo trêmulo
e sorriu.
Eu sabia que não havia mais volta,
e você também não omitiu.
 Uma semente foi plantada em meu ventre,
e nela evoluiu-se a lembrança e os traços
de duas almas acorrentadas...
As lágrimas começaram a escorrer de seus olhos
Que vagarosamente fecharam-se para não ver
Tudo que você iria perder.
Mas como se fecharam, abriram-se,
para se lembrar da ultima vez que olhastes para mim
e tivesse forças para que, mesmo no constrangimento pusesse sorrir.
E eu, como sua, ajoelhei-me para tocar em você dos pés à cabeça.
Para sentir-te, ser feliz, e ao mesmo tempo, sofrer.
 De meus olhos claros aos teus olhos escuros,
ainda morriam afogados os risos e boiavam as lembranças
do dia em que fiquei de luto pelo adeus da esperança.
Cada pingo derramado é um segundo a menos
para a morte que nos alcança.
 Abracei-te e me beijastes como um leão faminto,
Como na primeira vez.
E todo toque, todo arrepio, todo suor,
parecia um grande destino.
Mas que destino é esse?
Onde pessoas, meu querido,
Obrigam-lhe a vestir uma farda?
Junto a muitos outros que amam,
e até mesmo os frios que tem histórias para contar?
 Quando os sinos tocaram, foi o mais longo abraço,
o mais longo beijo, o mais longo sorriso,
e o mais longo massacre.
Meu corpo suado de tanto carinho
e os olhos inundados da eterna sensação de definho.
Ao final do ultimo toque de nossos dedos,
Esfriou-se o meu corpo e congelou-se minha alma.
Esse foi o dia em que, deixei no papel com caneta da cor do sangue,
O dia em que...
O Sol se pôs eternamente.

3 comentários:

  1. O primeiro comentário tem que ser meu!! hehehe sou ousado.... vc ta ficando cada vez melhor guria...
    mas veja oq vc escreve como as mulheres do romantismo como as góticas...sempre algo inalcançavel...a perfeição sempre foi e será abatalha e busca interminavel da alma pelo esclarecimento..
    Bjss!

    ResponderExcluir
  2. Olá Nix, estou passando para deixar um beijo de saudade, o tempo como sempre curto, mas ao sentir a textura das suas postagens, ele se torna longo... Bjs

    ResponderExcluir
  3. Nix, obrigado pela visita e pelo carinho, sinta-se a vontade por lá, assim como eu me sinto por aqui. Seu Blog é fantástico, assim como a sua mente brilhante, e seus poemas imortais...

    ResponderExcluir